Polícia Civil vai intimar Ana Maria em duas semanas

A vereadora Ana Maria Holleben (PT) – acusada de forjar o próprio sequestro no início do ano para não precisar votar na eleição da Mesa Executiva da Câmara Municipal de Ponta Grossa – deverá ser ouvida formalmente pela Polícia Civil daqui duas semanas. A informação é do delegado Josimar Antonio da Silva, que acompanha o caso.

Conforme o delegado, além de Ana Maria outras pessoas também deverão ser ouvidas pela Polícia Civil. “Após escutá-la vamos encaminhar novamente o inquérito ao Fórum”, diz. Na última segunda-feira, a vereadora voltou à Casa, depois do escândalo que ficou mundialmente conhecido como o suposto 'falso sequestro' da parlamentar.

Cerca de 300 pessoas foram à Casa do povo para conferir de perto a sessão longa que teve, além do primeiro pronunciamento público de Ana Maria, a composição da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para tratar do caso da vereadora e também, da Corregedoria que irá analisar o pedido de verificação de possível quebra de decoro por parte da parlamentar, realizado por Pascoal Adura (PMDB). Apesar de toda a espera, entretanto, Ana Maria repetiu o discurso das entrevistas concedidas a alguns órgãos de imprensa, sendo publicamente criticada por isso pelos seus colegas de parlamento.

Sequestro

A vereadora Ana Maria de Holleben (PT) é acusada de forjar o próprio seqüestro para não precisar votar na Mesa Executiva da Câmara Municipal de Ponta Grossa. Além dela, Idalécio Valverde da Silva e Reginaldo da Silva Nascimento são acusados pela Polícia Civil de participarem da simulação de seqüestro. Também foram acusados Adauto Valverde da Silva e Susicleia Valverde da Silva. Todos foram enquadrados pelos crimes de falsa comunicação de crime, formação de quadrilha e fraude processual.

Fonte: Diário dos Campos/Patrícia Biazetto

Previsão do Tempo

Publicidade

logo 

 

logoalvo 

 

 fotopontab